ABORDAGEM DE COMUNIDADES NAS PRÁTICAS DE SAÚDE

Autores

  • Maria Amália Dorsch Ferreira Autor/in
  • Jorge Cordón Faculdade de Ciências da Saúde da UnB Autor/in
  • Luísa Dorsch Ferreira Autor/in

DOI:

https://doi.org/10.51473/rcmos.v1i1.2024.265

Palavras-chave:

Abordagem de Comunidades. Práticas de Saúde. Participação Comunitária

Resumo

Esta pesquisa detalha uma abordagem para a prática de saúde em comunidades, enfatizando a importância de entender as relações sociais, institucionais e ambientais dentro de um território específico. A proposta sugere a inclusão de novos atores na saúde, além dos profissionais tradicionais, envolvendo a população organizada para abordar tanto as determinações clínico-epidemiológicas quanto as sociais. O processo de abordagem inclui várias etapas, como observação direta, coleta de informações, comunicação e engajamento com a comunidade, identificação de informantes-chave, análise institucional, mobilização e participação comunitária, além de mapeamento e planejamento estratégico. O estudo enfatiza a necessidade de respeitar as crenças e tradições locais, promover a troca de conhecimentos e incentivar a participação ativa da comunidade nas decisões de saúde. A abordagem proposta busca alinhar as práticas de saúde aos interesses coletivos da sociedade, promovendo uma saúde comunitária mais integrada e eficaz.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Maria Amália Dorsch Ferreira

    Cirurgiã-dentista, especialista em Odontologia em Saúde Coletiva. E-mail: amaliadorsch@aol.com 

  • Jorge Cordón, Faculdade de Ciências da Saúde da UnB

    Professor Doutor da Faculdade de Ciências da Saúde da UnB. E-mail: jcordon@persocom.com.br

Referências

ABRAMOVAY, R. O capital Social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. Fortaleza, 1998, 14p. Monografia.

ARCOVERDE, Ana Cristina Brito. O Coletivo Ilusório – Uma reflexão sobre o conceito de comunidade, Recife, Ed. Universitária/UFPE, 1985. pp 50-55.

BANDEIRA, Lourdes Maria. “Processos de Observação e Participação Das Comunidades”. Revista Ação Coletiva. V.1, n.1, jan/março, 1998, p 33-40.

BANDEIRA, Lourdes Maria. “O processo de Abordagem de Comunidades”. Brasília, UnB, in: Curso de especialização à distância em Odontologia em Saúde Coletiva., módulo 3. 1998. 1p.

BLEICHER, Lana. “Participação Popular e Controle Social em Saúde”. Brasília, UnB, in: Curso de Especialização à distância em Odontologia em Saúde Coletiva, módulo 7. 1999. 8 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agentes em Ação. Participação Comunitária em Saúde. “S.D.”

BRASIL. Fundação Nacional Comunitária. Uma Estratégia para a Reorientação do Modelo de Saúde. Educação em Saúde e a Mobilização. Brasília, 1994.

BRASIL. Saúde da Família: Assistencial. Brasília, 1998.

CORDÓN, Jorge Alberto. “Abordagem e participação social nos Processos de Saúde Bucal” Brasília, UnB, in: Curso de Especialização à distância em Odontologia em Saúde Coletiva, módulo 7. 1999. 5 p.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. 1ª Ed. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1988.

FLORES, Oviromar. “Educação em saúde ou “prática de Saúde enquanto Prática social”. Revista Ação Coletiva. V.2, n.2, abr/jun, 1999, p 19-24.

FREIRE, Paulo. “Como trabalhar com o povo?”. Associação Paulista de Saúde Pública. Texto n.3, 1983.

GARRIDO, Neyde Glória. LEVCOVITZ, Eduardo. “Saúde da Família: a procura de um modelo já anunciado”. Cadernos Saúde da Família. Ministério da Saúde, ano 1, n.1, jan/jun, 1998, p 05-12.

HABERMEIER, Kurt. Diagnóstico rápido e participativo da pequena produção rural: como fazer. Recife, ASCTES/Centro Sabiá, 1995. 72p.

HILGERT, Elisiane Cardoso. ABEGG, Claídes. PRETTO, Salete Maria. “Análise das Abordagens de Educação em Saúde em Programas de Saúde Bucal”. Revista Ação Coletiva. V.2, n.2, abr/jun, 1999, p 10-14.

ORGANIZAÇÃO PANAMERICANA DE SAÚDE. Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde. A estimativa Rápida e a Divisão do Território no Distrito Sanitário – Manual de Instruções. Série Desenvolvimento de Serviços de Saúde nº11, Brasília, 1993, 54p.

MATTEI, Lauro. REBESCHINI, Paulo Roberto. “Capacitação em gestão social para os Conselheiros Municipais de Desenvolvimento Rural”. Módulo II, Brasília, 2000. 44p.

RIZZO, Raquel. “Uma reflexão sobre a utilização dos recursos tecnológicos e dos meios de comunicação em saúde coletiva: baseada na experiência da Escola de Saúde Pública do Paraná”. Revista Ação Coletiva. V.2, n.2, abr/jun, 1999, p 33-38.

SAFORCADA, Enrique. Psicologia Comunitária. El enfoque ecológico contextualista de James G. Kelly. Buenos Aires, Proa XXI Editores, “S.D.”.

TORO, Bernardo. Mobilização Social:uma teoria para a universalização da cidadania. Documento fruto da Série Mobilização Social:Comunicação e Mobilização Social,V. 1, Universidade de Brasília,1996.

VALLA, V.V.. “Sobre a participação popular”. Cadernos de Saúde Pública. V.14 suplemento 2, 1998, p.7-8.

WEIL, Pierre. Relações Humanas na Família e no Trabalho. Petropólis, Ed. Vozes Ltda., 1976.

Arquivos adicionais

Publicado

17.01.2024

Edição

Seção

Artigos Científicos de Pesquisa

Categorias

Como Citar

FERREIRA, Maria Amália Dorsch; CORDÓN, Jorge Cordón; FERREIRA, Luísa Dorsch. ABORDAGEM DE COMUNIDADES NAS PRÁTICAS DE SAÚDE. RCMOS - Revista Científica Multidisciplinar O Saber, Brasil, v. 1, n. 1, 2024. DOI: 10.51473/rcmos.v1i1.2024.265. Disponível em: https://submissoesrevistacientificaosaber.com/index.php/rcmos/article/view/265.. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 407

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.